O que faz correr Xanana?  

Xanana Gusmão prefere esquecer o passado do Presidente indonésio, Suharto: "teve os seus lados fracos, sobretudo a violação dos direitos humanos, a ditadura e a corrupção". Mas Suharto foi mais que isso; foi um criminoso responsável pelo assassinato de centenas de milhares de oposicionistas. E dos mais corruptos ditadores, tendo amealhado, em bancos estrangeiros, uma fortuna avaliada entre 10 a 20 mil milhões de euros.

Xanana Gusmão foi ao funeral do criminoso para fazer "esquecer o passado". Mas o passado não pode ser esquecido. Não podem ser esquecidos os crimes de morte do regime tirano. Não pode ser esquecida a anexação de Timor. Os timorenses mortos. A luta heróica dos guerrilheiros e do povo pela independência. A solidariedade dos povos do mundo com a causa timorense. Xanana Gusmão pode perdoar. Pode até querer esquecer. Admiro-lhe isso. Admiro-lhe a capacidade de não guardar rancores ou ódios.

Mas Xanana nunca deveria ter ido ao funeral de Shuarto. Porque antes dos seus sentimentos, das suas convicções, está a memória dos mártires, dos expatriados, dos mortos, dos sofridos -dos seus familiares, amigos e de todos os povos solidários do mundo - provocados por uma ditadura brutal e por um cobarde assassino.


1 comentários

  • Nelly  
    29 de janeiro de 2008 às 14:53

    A relação Amor-òdio que nutro por Xanana faz-me por um lado desconfiar "sempre" das intenções "ingénuas" dele. por outro lado sabendo o que se passa quando nós proprios damos tudo de nós por um povo, por uma terra, por pessoas, que ao mais infimo,descuido se voltam contra nós e ficamos a pensar mesmo para quê?? de que vale tanta luta?'Talvez ele pense assim mais vale esquecer, perdoar,eu proprio relevar, e viver a minha vida descansado... talvez ele pense assim e è tão fácil pensar assim, só em nós, depois de tudo!

Enviar um comentário